A declaração de posição da ISHRS sobre qualificações para cirurgia de couro cabeludo

Declaração de posição da ISHRS

A posição da International Society of Hair Restoration Surgery é que qualquer procedimento que envolva uma incisão cutânea com a finalidade de remoção de tecido do couro cabeludo, do corpo ou para preparar o couro cabeludo ou corpo para receber tecido, (por exemplo incisão do enxerto FUE, excisar a tira de doador, criando locais recetores) por qualquer meio, incluindo robótica, é um procedimento cirúrgico. Tais procedimentos devem ser realizados por um médico devidamente formado e licenciado. Todas as ferramentas de colheita FUE, incluindo dispositivos robóticos, são consideradas extensões da mão do girurgião e, como tal, todos os que manuseiam estes dispositivos devem ser médicos.

Os médicos que efetuam cirurgias de restauração capilar devem possuir a habilitação, formação e competência atual na área da cirurgia de restauração capilar.

A ISHRS acredita que os seguintes aspetos da cirurgia de restauração capilar só devem ser efetuados por um médico licenciado:

  • Avaliação diagnóstica pré-operatória
  • Planeamento cirúrgico
  • Realização da cirurgia incluindo: colheita de cabelo do doador; design da linha do cabelo; criação do local do destinatário e gestão de outras questões médicas do paciente e possíveis reações adversas.
  • Cuidados pós-operatórios

A ISHRS reconhece a delegação dos aspetos mencionados, relativos aos procedimentos de restauração capilar, da seguinte forma: em alguns países, os grupos profissionais de saúde credenciados, por exemplo, Assistentes Médicos (EUA), Médicos Associados (Reino Unido), Profissionais de Enfermagem (EUA e Reino Unido), Profissionais de Cuidados Cirúrgicos (Reino Unido), são licenciados, podendo levar a cabo procedimentos médicos e cirúrgicos mediante critérios específicos. Estes profissionais de saúde são responsáveis pela sua autoridade de licenciamento por conduta antiética. Nestes países, a ISHRS reconhece que tais grupos profissionais estão a praticar legalmente e a ISHRS aprova-o, desde que estejam a praticar dentro do âmbito da sua licença e mediante a supervisão de um médico licenciado que efetua cirurgias capilares e que possui a habilitação, formação e competência atual no campo da cirurgia de restauração capilar.

A ISHRS acredita que é antiético para um indivíduo viajar para um estado e/ou país onde a sua licença não é válida e levar a cabo aspetos cirúrgicos de restauração capilar.

A ISHRS também acredita que é antiético um médico formar um indivíduo que não seja um profissional da saúde creditado e licenciado para efetuar uma cirurgia.

Os membros da ISHRS são obrigados a concordar e respeitar o Código de Ética da ISHRS e a Declaração de Posição da ISHRS sobre qualificações para cirurgias de couro cabeludo. Os infratores estarão sujeitos a ações disciplinares.

Aprovado pelo Conselho de Governadores, 13/11/2019

Divulgação

OS VÍDEOS, FOTOGRAFIAS E OUTRAS INFORMAÇÕES (COLETIVAMENTE “RETRATOS”) FORAM FORNECIDOS POR INDIVÍDUOS QUE OS PREPARARAM E SUBMETERAM INDEPENDENTEMENTE À SOCIEDADE INTERNACIONAL DE CIRURGIA DE RESTAURAÇÃO CAPILAR (“ISHRS”). AS PERSPETIVAS E OPINIÕES EXPRESSAS NOS RETRATOS PERTENCEM AO ORADOR OU AUTOR E NÃO À ISHRS.

OS RETRATOS SÃO FORNECIDOS “COMO ESTÃO”, COMO FORAM RECEBIDOS, SEM QUAISQUER GARANTIAS, EXPRESSAS OU IMPLÍCITAS. NEM A ISHRS, NEM QUALQUER PESSOA ASSOCIADA À ISHRS FAZ QUALQUER REPRESENTAÇÃO OU GARANTIA EM RELAÇÃO À PRECISÃO, COMPLETUDE, INTEGRIDADE, QUALIDADE OU FIABILIDADE DOS RETRATOS. O ISHRS REJEITA TODAS AS GARANTIAS, EXPRESSAS OU IMPLÍCITAS, ESTATUTÁRIAS OU DE OUTRA FORMA, INCLUINDO MAS NÃO SE LIMITANDO A GARANTIAS DE COMERCIALIZAÇÃO, NÃO INFRAÇÃO E ADEQUAÇÃO A UM PROPÓSITO ESPECÍFICO. O QUE PRECEDE NÃO AFETA QUAISQUER GARANTIAS QUE NÃO POSSAM SER EXCLUÍDAS OU LIMITADAS DE ACORDO COM A LEI APLICÁVEL.

NA MÁXIMA EXTENSÃO FORNECIDA PELA LEI, EM NENHUM CASO A ISHRS OU OS SEUS FUNCIONÁRIOS, AGENTES, FUNCIONÁRIOS, DIRETORES OU OUTROS REPRESENTANTES SERÃO RESPONSÁVEIS POR DANOS DE QUALQUER TIPO, SOB QUALQUER TEORIA JURÍDICA, DECORRENTE DE OU EM CONEXÃO COM O PORTAL, INCLUINDO QUALQUER DANO DIRETO, INDIRETO, ESPECIAL, INCIDENTAL, CONSEQUENCIAL OU PUNITIVO.